As aplicações da newsletter no marketing digital

É comum, quando navegamos em um site, que surja um pop-up com os dizeres “Inscreva-se na nossa newsletter e não perca as novidades!”. Todos já passamos por isso. Pode ser um e-commerce, um site de produção de conteúdo ou a página de uma empresa – as newsletters são um recurso amplamente utilizado para estreitar os laços entre marcas e consumidores. Mas por quê? O que diferencia uma newsletter de um e-mail marketing? Como criar conteúdo relevante para disparar periodicamente a uma base de e-mails?

Newsletter é um tipo de e-mail informativo sem um foco específico. É o que o diferencia do e-mail marketing, normalmente utilizado para anunciar uma oferta, evento, lançamento de produto, etc. Na newsletter, os assuntos abordados variam, bem como a maneira com a qual são apresentados. É possível, por exemplo, oferecer um produto, indicar leituras e filmes ou fazer um comunicado institucional no mesmo e-mail. Isso não significa, no entanto, que o conteúdo não precisa ser estruturado e fazer sentido para quem lê.

Uma vez que o objetivo principal da news é cultivar uma relação de proximidade com o destinatário, a premissa fundamental é criar chamadas que captem a atenção de quem as lê. Para isso, é preciso conhecer o público-alvo, determinar suas áreas de interesse e enviar mensagens segmentadas. É sabido que enviar o mesmo conteúdo para toda a sua base de e-mails é furada em termos de conversão. Cada um dos receptores tem suas especificidades, e não é incomum que surja a necessidade de enviar newsletters diferentes para grupos com pessoas diferentes.

Quanto às chamadas, elenque as mais importantes e coloque-as no começo do e-mail. A mais importante, é claro, vai no assunto, o maior responsável pela taxa de abertura das mensagens. Deixe a criatividade rolar solta no momento de definir estas frases, e não se esqueça de exibir o nome da empresa no remetente – se o destinatário já confia em você, abrirá o e-mail com gosto!

Outra dica importante é manter o layout da newsletter simples e leve. É claro que a criatividade deve continuar no comando, mas trabalhar com templates elaborados nem sempre é uma boa ideia, especialmente porque os servidores podem não randerizar corretamente a mensagem. 

A periodicidade dos envios também é um fator que exige atenção e cuidado. Se não estivermos falando de um jornal ou portal de notícias, enviar newsletters diariamente é furada: o receptor enjoa, fica cansado e você corre o risco de perder um consumidor. Envios semanais ou mensais são mais indicados para quem trabalha com vendas, por exemplo, mas vale o teste e a atenção ao feedback recebido.

A maioria das ferramentas de e-mail marketing gratuitas apresenta índices de abertura, rejeição e clique nos links disponibilizados nos e-mails. Aproveite este recurso para melhorar o conteúdo, a forma, avaliar os melhores horários de envio e otimizar o retorno gerado. Manter-se atento a estas informações é fundamental para renovar a comunicação da qual sua marca lança mão, além, é claro, de procurar outras empresas do mesmo nicho que trabalham com a ferramenta. Inspiração nunca é demais – e conhecer a concorrência também não. 

Um exemplo de newsletter bem feita e bem sucedida é o SPAM [Sem Pretensão Alguma Mesmo], da Perestroika, disparado sempre às quintas-feiras. Além do design divertido e intuitivo, o SPAM é dividido em quatro editorias (criativo, subversivo, sensível e do bem), cada uma com uma notícia/link curiosa e aprofundada. Vale assinar!




Por fim, lembre-se de testar mais de uma vez antes de enviar a newsletter à sua base de e-mails. Confira a ortografia, o design, o conteúdo. Cheque e recheque. Não corra o risco de que algum errinho passe despercebido.

Compartilhe conosco sua experiência com esta ferramenta. Funcionou para sua empresa? Está pensando em implementá-la? Já implementou e não funcionou? Vamos trocar figurinhas!