Como estimular networking em eventos

Aumentar a rede de contatos e encontrar possíveis parceiros de negócios são motivos que levam inúmeras pessoas aos mais diferentes tipos de eventos corporativos. O networking é uma prática que permeia o corporativismo, cujas relações precisam ser fortificadas e renovadas para manter os padrões de lucro e sucesso de uma empresa.

Eventos são, por definição, encontros entre pessoas. Mas o diálogo entre elas nem sempre é um processo orgânico, e cabe à organização tornar o ambiente propício para a troca de informações. Isto significa um esforço conjunto para pensar em momentos e ações que propiciem o encontro.

É importante salientar que o networking não é um momento exclusivo do evento em si – quanto mais cedo as pessoas começarem a se conectar, melhor. Falamos aqui sobre os benefícios de desenvolver um aplicativo personalizado para o seu evento; uma delas é permitir que participantes com interesses em comum possam se encontrar.

Ainda no pré-evento, as redes sociais são grandes aliadas do networking. Criar um evento no Facebook, por exemplo, dá às pessoas a chance de saber quem comparecerá. Compartilhar links pertinentes é outra maneira de aproximar os usuários, além de proporcionar interações com a organização. Enviar uma newsletter é uma maneira de descobrir quais são as curiosidades comuns dos participantes.

Durante o evento, reservar um momento para o networking é fundamental. Organizar um coffee break é válido, mas o diálogo precisa ser estimulado. Que tal propor dinâmicas ou deixar o espaço aberto para propostas? Lembre-se que o mestre de cerimônias é uma peça fundamental para incentivar interações produtivas. Ele pode apresentar os convidados para que as pessoas descubram interesses comuns, explicitar os momentos reservados para conversas e incentivar a comunicação.

A organização espacial do local do evento também influencia na relação entre os participantes. É importante planejar a distribuição de mesas e cadeiras, sem prejudicar a mobilidade, para que as pessoas possam circular por ambientes diferentes. Priorize corredores largos e espaços amplos. Áreas abertas também são convidativas.

Uma estratégia para ter na manga é aderir aos recursos interativos. Fizemos um post sobre a crescente procura por experiências, que chamam muito mais a atenção do que produtos/serviços. Painéis interativos, oficinas, cabine de fotos… são exemplos de equipamentos que podem ser colocados à disposição dos presentes e que despertam a curiosidade, essencial para gerar trocas.

Se possível, a depender do caráter e do espaço do evento, disponibilize espaço para que os próprios participantes exponham seus produtos/serviços. Networking também significa gerar bons negócios.

Pense também em contratar facilitadores destinados exclusivamente a encorajar os diálogos. Dar o primeiro passo para conversar com alguém é desafiador – com a ajuda de terceiros, o processo torna-se mais fácil. Além disso, é comum que pessoas que se conhecem fiquem juntas, sem sair da zona de conforto para interagir com os demais. O facilitador é responsável por dar um “empurrãozinho” e quebrar o gelo.

No pós-evento, o networking não precisa acabar. É interessante para todos que as trocas continuem. Mantenha os canais de comunicação (aplicativo, eventos e publicações nas redes sociais, etc.) abertos e faça uma pesquisa de satisfação para descobrir qual o feedback dos participantes – as diferentes opiniões são muito importantes para aprimorar as ações dos próximos eventos, inclusive as relacionadas ao networking em si.

A melhor maneira de descobrir quais estratégias funcionam é tentar diferentes abordagens. Na Nobre, para estabelecer qual linha seguir, pesamos diferentes fatores: público-alvo, tipo de evento, cliente, objetivo principal, espaço e orçamento são os principais e com mais influência na tomada de decisões.

Como é este processo para você? O que funciona? Como você gostaria que os organizadores de um evento estimulassem interações? Compartilhe conosco!