Apresentações: influenciar pessoas usando as fantásticas ferramentas que estão em você

Pense na melhor apresentação que você viu em toda a sua vida. Você vai concordar que a diferença está em quem apresenta, na capacidade de persuasão que envolve domínio sobre o tema, autoridade na condução e interação com o público.

Espere... você não falou na capacidade de se comunicar!

Claro, exige-se o mínimo, mas ao longo desses anos todos percebemos que a consistência do conteúdo, a cuidadosa formulação do roteiro, o treinamento e a sequência lógica da apresentação superam limitações que qualquer pessoa pode ter.

O que importa é a ideia e como ela é transmitida

A melhor apresentação que presenciei em minha vida foi uma do comandante Ozires Silva (peguei pesado, reconheço).

Não havia telas de PPT, nem flipchart, nada. Ele pediu licença para permanecer sentado e conduziu um show com histórias bem amarradas e o claro propósito de influenciar a plateia mostrando que o sonho de um Brasil tecnológico e competitivo é plenamente realizável.

Usou tudo o que uma apresentação pode e deve ter: dados concretos, aspirações e sentimentos.

Mais um exemplo

Além de uma voz única e peculiar, Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil tem o bom humor e o alto astral como suas marcas registradas. Ele interage com a plateia - normalmente formada por concessionários de todo o país – contando breves histórias e dividindo o palco com colegas, o que dinamiza e enriquece suas apresentações. Com simplicidade e objetividade, ele atende muito bem aos fundamentos da apresentação corporativa – apresentar o cenário, definir objetivos, apontar caminhos e engajar as pessoas.

O segredo está no roteiro!

A experiência de uma agência que fez mais de 200 apresentações em 2017 comprova que as histórias ajudam muito, principalmente se forem simples e sustentadas em fatos recentes e do conhecimento de todos.

Ou seja, você não precisa ser um criador e contador de histórias para construir e apresentar conteúdos lógicos e convincentes. Veja o exemplo de um roteiro de uma apresentação utilizada por uma imobiliária:



1. Primeira Fase - Mostra o cenário

A taxa básica de juros recuou de 14,25% ao ano, em junho passado, para os atuais 8,25% ao ano – convivemos agora com os juros mais baixos da história. Será que isso já teve impacto na intenção de consumo das pessoas e nos investimentos das empresas?

2. Segunda Fase - Lança a meta

Aproveitar esse clima de otimismo para retomar e acelerar as vendas de um empreendimento imobiliário – apartamentos destinados às classes C e D.
Além dos diferenciais do empreendimento, o principal argumento agora são os juros baixos.
A meta é vender 14 unidades remanescentes até 30 de junho.

3. Apresenta a estratégia

Resgatar propostas e retomar as negociações. Aqui está a lista por corretor em que destacamos as propostas de permuta: vamos trabalhar com um bônus variável valorizando o imóvel do cliente e renovando o interesse pela troca.

4. Engaja o time

Vamos compartilhar as questões que forem surgindo para que os pontos levantados em cada negociação sirvam de base para eventuais ajustes na estratégia. Para isso, vamos dar feedback diário das abordagens.

5. Encerra motivando (Call to Action)

A construtora parceira pagará à vista, para cada negócio fechado, um adicional de 0,5% sobre o comissionamento do corretor. Além deste ganho adicional, que é importante, faremos a diferença pela iniciativa de transformar um problema em oportunidade. O resultado positivo nessa campanha certamente terá grande impacto sobre as futuras campanhas e os resultados do ano.


Como a Nobre Propaganda pode ajudar você na construção das suas apresentações?

Trabalhando com você na construção do roteiro e nas imagens que valorizam e fundamentam a história que você vai transmitir e nos sentimentos que quer despertar. Com o entendimento de uma equipe que trabalha por imersão, a agilidade de uma estrutura enxuta e o orçamento de uma agência competitiva, que quer continuar trabalhando para você e sua empresa, seja em jobs pontuais ou em projetos de maior amplitude.