Do marketing pessoal ao Top Voices LinkedIn: um bate-papo com Murillo Leal

Engana-se quem pensa que o LinkedIn é uma rede social destinada à oferta e procura de empregos. Ele já foi, é verdade, mas evoluiu com o tempo e deixou de lado o caráter de “currículo online” para tornar-se uma ferramenta de negócios.

A avaliação é de quem entende do assunto: o jornalista Murillo Leal tem mais de 300 mil seguidores na rede e foi um dos Top Voices em 2016, além de ser um heavy user do LinkedIn desde 2007, quando começou a publicar artigos na plataforma.

“Fui convidado pelo Guilherme Odri, editor do LinkedIn Brasil, para escrever por lá. Já 'conhecia a rede porque quando ela surgiu eu trabalhava numa agência e me senti na obrigação de entrar e ver como era. Quando comecei a escrever, era muito despretensioso. Não sabia onde ia chegar”, conta Murillo. Os assuntos dos artigos variavam entre empreendedorismo, propósito, mercado de trabalho e juventude, que continuam como pautas predominantes das publicações do jornalista.

A principal intenção de Murillo era divulgar seu trabalho, investigar a plataforma e utilizá-la a seu favor; ter milhares de seguidores, apesar de não ter sido o intuito do jornalista, foi uma consequência natural do marketing pessoal bem feito. Isso significa, em linhas gerais, explorar os recursos da rede social de forma a aproximar as conexões e criar um vínculo com elas.

No caso do LinkedIn, a melhor maneira de se destacar é através da criação de conteúdo. Como a rede permite a produção de artigos, abordar temas pertinentes ao universo do trabalho, que é o principal foco da plataforma, é uma estratégia apropriada. É claro que tornar-se parte do grupo de Top Voices não se dá de um dia para o outro, mas o primeiro passo é fundamental.    

A criação de conteúdo, aliás, tem tudo a ver com a característica de “ferramenta de negócios” do LinkedIn: são os artigos que podem fazer com que você entre no radar de um recrutador, por exemplo, além de te aproximar de pessoas com os mesmos interesses que os seus. Para Murillo, a rede social é a “única que permite um posicionamento profissional que pode te projetar pelo seu diferencial”. No caso dele, surgiram inúmeras oportunidades, como palestrar na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e conhecer Cristiana Arcangeli, empreendedora de sucesso e jurada do programa Shark Tank Brasil.

“É fundamental entender que o LinkedIn é um lugar para se criar autoridade, ou seja, o conteúdo compartilhado ali possibilita que você se destaque – e isso vale para profissionais isolados e marcas”, afirma o jornalista. A constatação é importantíssima, especialmente num contexto em que cada vez mais pessoas estão aderindo à plataforma. No Brasil, são cerca de 30 milhões de usuários. “O número aumentou muito com a crise econômica, que gerou altos índices de desemprego. Aqui no Brasil, começaram a prestar atenção na rede social recentemente; lá fora essa maturidade já existe há bastante tempo.”

Parece prudente rever o que pensávamos saber sobre o LinkedIn até então, não? As dicas de Murillo são valiosas. Anote aí: “a rede social é uma plataforma B2B, de empresas para empresas. Hoje, se você quiser fechar um negócio com a Nestlé, por exemplo, o responsável pela marca está no LinkedIn, não no Facebook. É uma ferramenta de negócios e não um lugar para se procurar emprego. Segundo ponto: falando em mídias digitais, o LinkedIn é a única plataforma que permite que você se posicione e se projete profissionalmente. E, por último, é lá que você cria autoridade profissional, torna-se referência, destaca-se”.

É importante salientar que o LinkedIn não deixou de ser uma rede social que permite que recrutadores encontrem profissionais e profissionais encontrem vagas de emprego. O ponto que merece atenção é justamente o que buscam os contratantes/parceiros de negócio, que não mais estão apegados exclusivamente ao currículo e à experiência profissional dos usuários, mas também ao posicionamento de cada um na rede. Seja cauteloso, no entanto: isto não significa fazer postagens de cunho pessoal, e sim explorar assuntos pertinentes à plataforma.

Compartilhe conosco suas experiências no LinkedIn, como você usa e o que pensa da rede social e, é claro, não deixe de seguir o Murillo – é certeza de conteúdo bacana, inspirador e útil! Aproveite para nos acompanhar pelo LinkedIn, Instagram e Facebook!